Blues, Música

Robert Belfour: Na estrada do Blues, ele fez sua própria sorte

robert-belfour2O blues tem uns artistas famosos e outros que praticamente passaram despercebidos. Dentre  os últimos, há um bluesman com um som profundo, antigo e puro, que é capaz de preencher todos os espectros da música apenas com um violão e sua voz. Este é o caso de Robert “Wolfman” Belfour. Nascido aos 11 de setembro de 1940, em Holly Springs (Mississippi). Cansado de ter que caminhar todos os dias da cidade de Red Banks, onde vivia, para seu trabalho em Memphis, a cidade mais populosa do estado norte-americano do Tennessee. Mudou-se definitivamente para lá,  no final dos anos 60.

0009982614_10Ele não teve muita educação. Estudou somente até a quinta série, sofrimento que teve quando da morte de seu pai. Então começou a tocar guitarra aos 7 anos de idade, imitando seu velho, que o incentivou a praticar música. Os discos de John Lee Hooker foram muito inspiradores naquela época, tendo alguns sido influência marcante nas músicas de Belfour. Dentre os músicos que podia ver ao vivo, um dos primeiros foi Júnior Kimbrough, um outro personagem com muita influência sobre o estilo de Robert. Ele sempre tocou em festas, em casa ou, quando permitido, em qualquer lugar. Tocava por alguns trocados e por todo o whisky que conseguisse beber e pela comida que pudesse comer. Sua primeira grande aparição como artista foi no Festival Rust College em Holly Springs, em 1982. A partir de então começou a aparecer em cartazes de eventos como o Festival Memphis Southern Folklore, o festival Chattanooga ou Knoxville Jubilee Arts Festival.

71WF1ev77FL._SL1500_A primeira gravação de Robert Belfour foi em 1994 para uma compilação chamada de “o espírito vivo” para o selo alemão Hot Fox Records, que abriu a porta para tocar fora dos Estados Unidos. Naquele tempo ele trabalhou como supervisor de construção civil e sem qualquer suporte. “Quando tinha que sair para tocar, fazia, porque gostava. Às vezes passava até um mês fora e quando chegava em casa, o trabalho estava esperando por mim”, disse. Tocou por muitos anos no Clube Murphy, na barra do rio Memphis e foi lá que lhe falaram do selo Fat Possum e, através dele, lhe propuseram uma gravação de teste. Foi assim que em 2000, lançou o álbum “What’s Wrong With You“, que o ajudou a ganhar nome no cenário norte-americano, levando-o em turnê com artistas do porte de T-Model Ford e RL Burnside. Em 2003, também para Fat Possum, gravou “Pushin ‘My Luck” – considerado um dos maiores clássicos do gênero.

Robert-BelfourBelfour não foi feito para tocar em casa, a menos que estivesse compondo uma música. Muitas das canções que tocaram nas rádios o ajudaram a chegar no topo. Quando subia ao palco, surpreendia os espectadores. Tinha muito carinho para com a música de Muddy Waters, John Lee Hooker, Little Milton e, particularmente, Howlin ‘Wolf, para quem disse: “Não é um violão qualquer que fará você me abandonar. Você pode aguentar uma ou duas semanas, mas sempre que me vir, sentirá vontade de tocar. Vou tocar até não aguentar mais e quando sentir que não sou mais capaz, penduro as chuteiras. Todo caminho tem seu fim.”

O caminho de Robert teve fim em 25 de Fevereiro de 2015. Foi um dos mais tradicionais músicos de Memphis que encantaram as pessoas com seu blues de raiz. O músico faleceu numa quarta-feira, aos 75 anos de idade.


Referências:

Anúncios

Um comentário em “Robert Belfour: Na estrada do Blues, ele fez sua própria sorte”

Ajude-nos a melhorar. Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s