Música, Resenha

Sepultura: 20 anos do disco Roots.

Ao idealizar o disco Roots, a banda Sepultura imergiu no universo cultural dos nossos ancestrais diretos, os índios.

A proposta sepultura-roots-traseraera vivenciar a experiência do índio, mediante um processo de sociabilização entre os membros da banda com os nossos ascendentes, no caso, os nativos da tribo Xavantes, no Mato Grosso/BRA.

O processo criacional da obra consistiu de uma breve, mas produtiva interação entre indígenas e músicos, que compartilharam por alguns dias, de costumes e ritos.

Nesse contexto, a incorporação dos elementos percussivo-tribais pela banda, constitui-se de um projeto para além da dinâmica musical. Realizaram uma fusão dos elementos peculiares do estilo Heavy Metal aos sons da terra, resultando numa estética imanente de sons e de imagens.

28758bPode-se dizer que Roots é um disco experimental. Permeado de uma atmosfera cujas imagens produzidas pelos sons engendram na mente um ambiente que remete a uma existência selvagem, onde a natureza reivindica a supremacia pela terra.

Embora as letras privilegiem os aspectos da cultura do Brasil, Roots não é uma obra conceitual. Roots Blood Roots proclama, num misto de angústia e alegria, o orgulho pelo “dom” de se reconhecer brasileiro; Endangered Species trata da espécie humana como refém de si mesma, ou melhor, como uma espécie em processo de extinção; Dictatorshit fala do golpe de 1964 e da ditadura militar, que torturou e matou em nome da uma falsa democracia*; Ambush é um manifesto em defesa da Amazônia.

Contrapondo-se ao lado pesado, do disco, tem-se dois momentos de suavidade e, porque não dizer, delicadeza: as instrumentais Jasco, que evoca sentimentos que podem significar fé ou esperança; e Itsári, uma peça na qual os anfitriões figuram no papel principal, contribuindo para um momento de expressiva musicalidade.

Roots é uma miscelânea de sons, cores e formas que levam aos sentimentos mais diversos. Ambivalente quanto ao estilo, polivalente quanto ao conteúdo. Uma obra para ressignificar o estilo Heavy Metal dentro de um projeto de expressão artística universal no qual a música convida a refletir sobre a condição humana e sua relação com a natureza.

* Oportuno: Neste momento em que muitos pedem intervenção militar.

Nota: a participação de Carlinhos Brown, como convidado, para os fãs (conservadores) da banda, soou como uma afronta. Todavia, no final das contas, além de não comprometer, ajudou para que o esforço dos músicos, em criar uma estética inovadora dentro de um estilo tão saturado como o Heavy Metal, não fosse em vão!

Anúncios

Ajude-nos a melhorar. Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s