Comportamento

Como nossos pais?

Hoje estou meio nostálgico… Possuindo por um certo romantismo.

Não o romantismo dos enamorados, mas um romantismo rebelde, do tipo que anseia por dias melhores.

Um romantismo que crer na possibilidade de se viver dias iguais aqueles que vivemos na infância ou em qualquer outro tempo perdido.

Um romantismo cheio de esperança e de receio, pois os tempos são outros e o futuro hoje é diferente do que imaginava no passado.

De qualquer forma, esta nostalgia é um sentimento bom, pois me traz recordações de uma época na qual meus ídolos estão guardados.

Hoje, não há mais ídolos, o que há são somente ideologias disfarçadas. E elas não cabem mais.

Enquanto pensava nas manifestações do dia 19/06/13 lembrei da música “Como nossos pais”, do Belchior, e finalmente compreendi sua mensagem. Vi o quanto de verdade há na letra desta canção, e como ela se encaixa na realidade brasileira.

Percebi que não tenho mais a pretensão de mudar o mundo como no passado. A pretensão que tenho hoje é a de mudar a mim mesmo. Da mesma forma, imagino que, talvez, seja isso que move tantos manifestantes neste dia histórico. Eles, assim como nós, não acreditam mais em partidos, direita ou esquerda. Apenas acreditam em si mesmos, e creem que desta forma seja possível mudar, não o mundo, mas o Brasil.

Percebi ainda que o que torna o nosso viver interessante é o fato de podermos refletir sobre o passado e, a partir dele, projetar um futuro. Mais planejado, mais aprazível… ou, justamente o contrário!

Saiba, porém, que, o que aqui digo, é reflexo de experiências pessoais, e não tenho compromisso com o pensamento alheio, com a semântica, e nem mesmo com a gramática…

Portanto, estou aqui, apenas observando o desenrolar dos fatos para depois contar a história. Uma história que vivenciei e que vou contar segundo o meu ponto de vista.

Antes, porém, uma história inacabada, onde o final parece interromper-se sem uma conclusão apropriada, mas que aponta para uma série de possibilidades diferentes dos finais aos quais estamos acostumados.

Quem sabe, talvez, possa você mesmo, inventar uma conclusão.

Anúncios

3 thoughts on “Como nossos pais?”

  1. Mais uma vez obrigado por comentar. Sua intervenção, por si só, foi bastante agradável. Não bastasse, nos presenteou com um belíssimo desfecho concretizado através da relação com outro assunto direcionado para outra perspectiva, porém, com uma relacionalidade totalmente possível!

    Curtir

  2. Ricardo: felizmente não existe um final último pra nada, e você faz bem de deixar a nostalgia em aberto. Lembrando, no entanto, que mesmo quando estamos num momento existencial de apenas botar a cara ao vento e esperar um desejo de movimento, também fazemos parte da paisagem dos outros — que vão me achar muito parado, embora eu esteja bem vivo e refletindo. Quanto ao momento presente, arrisco dar-lhe um final para este capítulo >

    http://ubatubarecords.wordpress.com/2013/06/25/20-do-outono-em-brasilia/

    Curtir

Ajude-nos a melhorar. Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s